Categoria: Saúde
CÓDIGO: 18109447
TÍTULO: Cordas Virtuais
DESDE: 04-2010
AUTOR / RESPONSÁVEL: Flávia Tamarindo
URL: cordasvirtuais.blogspot.com/
Você pode votar 1 vez por email, por Facebook e pelo Twitter

terça-feira, 25 de outubro de 2011

CREFONO 4 realiza II Encontro de Atenção à Gagueira em Pernambuco


Atenção leitores do Blog Cordas Virtuais, este evento será realizado nesta quarta-feira (26 de outubro), na Unicap. O tema central do IV Encontro será: “Compartilhando Histórias, Mudando Percepções” 

Com o objetivo de esclarecer dúvidas e incentivar as pessoas que gaguejam a procurarem atendimento especializado, o Conselho Regional de Fonoaudiologia 4ª Região (CREFONO 4) realiza, nesta quarta-feira (26 de outubro), o II Encontro Pernambucano de Atenção à Gagueira.

O evento será realizado no Anfiteatro do Bloco G4, da Universidade Católica de Pernambuco, a partir das 18h30. O Encontro é destinado a pessoas que gaguejam, seus familiares e amigos, além de fonoaudiólogos, estudantes de Fonoaudiologia, educadores e demais interessados. A entrada é gratuita.

O tema central do IV Encontro será “Compartilhando Histórias, Mudando Percepções”. Na ocasião, algumas pessoas que convivem com a gagueira darão depoimentos.

Em seguida, a também fga. Cláudia Rejane, professora do curso de Fonoaudiologia da Funeso, abordará em sua palestra a inserção da Gagueira no cinema, citando como exemplo o premiado filme "Discurso do Rei".

As fonoaudiólogas Tatiana Cavalcanti e Vanessa Silva vão falar sobre os grupos de tratamento para crianças, jovens e adultos que gaguejam. As duas supervisionam, semanalmente, esses dois grupos na Unicap.

PROGRAMAÇÃO

Início: 18h30
* Abertura - Fga. Profª Dra. Nadia Azevedo (Coordenadora da Campanha da Gagueira em Pernambuco)

* Depoimento de três participantes do Grupo de Terapia para Gagueira da Unicap
Gagueira no Cinema - Fga. Profª Ms. Cláudia Rejane (Funeso)
* O desafio de trabalhar em um jornal diário (Maurício Júnior, assessor de comunicação do CREFONO 4, jornalista da Folha de Pernambuco e pessoa que gagueja)
* Depoimento Inscrito de participantes do Grupo de Terapia para Gagueira da Unicap
* Discussão geral sobre gagueira aberta ao público* Encerramento e coffee break


GAGUEIRA
De acordo com o Instituto Brasileiro de Fluência (IBF), a incidência da gagueira é de 5%, ou seja, cerca de 10 milhões de brasileiros estão passando por um período de gagueira neste momento. Este número é maior do que a população da cidade do Rio de Janeiro. A prevalência da gagueira é de 1%, ou seja, cerca de 2 milhões de brasileiros gaguejam de forma crônica (há anos ou décadas). Este número é maior do que a população de Manaus ou Curitiba.
 
DIAG

O Dia Internacional de Atenção à Gagueira foi criado em 1998, pela Internacional Fluency Association (IFA) e pela International Stuttering Association (ISA). Desde o início, o Brasil participou das comemorações com diversas ações voltadas para as pessoas que gaguejam, para familiares, para profissionais e para a população em geral por meio da Associação Brasileira de Gagueira (Abra Gagueira) e Instituto Brasileiro de Fluência (IBF). 

Fonte: Assessoria de Comunicação do CREFONO 4

sábado, 22 de outubro de 2011

Dia 22 de outubro - Dia Internacional de Atenção à Gagueira





O Dia Internacional de Atenção à Gagueira acontece desde 1998 em diversas partes do mundo e tem como objetivo oferecer informações necessárias para compreensão da gagueira e da importância de ser procurada ajuda especializada quando ela acontece.
A gagueira é pouco compreendida pela maioria das pessoas, geralmente é vista como engraçada, mas pode trazer consequências para a pessoa que gagueja, levando a pessoa a um grande sofrimento e isolamento.

Mas, afinal, o que é a gagueira?

A gagueira é um distúrbio neurofisiológico que afeta a fluência da fala. Na gagueira, o cérebro apresenta dificuldade para sinalizar o término de um som, ou uma sílaba e passar para o próximo. Ela é involuntária e ocorre em situações de fala espontânea.
Os primeiros sintomas da gagueira surgem na infância, por volta dos 2 – 4 anos de idade e vai se agravando com o tempo.   
É importante esclarecer que dos 2 aos 6 anos mais ou menos a criança está em fase de desenvolvimento da linguagem, o que muitas vezes podemos reconhecer como normal, fisiológico, de desenvolvimento.
Na maioria das crianças essa gagueira fisiológica melhora espontaneamente. Mas não há como os pais saberem quais as chances de ocorrer melhora espontânea. Diante disso, é fundamental realizar uma avaliação especializada desde o surgimento dos primeiros sintomas.
Na adolescência pode haver um agravamento, chegando até a fase adulta. Ela é gradual.
Casos de gagueira são tratados pelo Fonoaudiólogo, que trabalhe com a fluência da fala. Este profissional irá avaliar a queixa de gagueira, e então, definirá a conduta adequada para cada caso. Adolescentes e adultos também têm muitos ganhos com a terapia fonoaudiológica especializada nos casos de gagueira.
A gagueira pode gerar muitas reações negativas, vai variar de uma pessoa para outra e depende também da atenção dada e conduta dos pais, diante da alteração na fluência da fala.
Em muitos casos ocorrem: angústia, isolamento, a pessoa desvaloriza a si mesmo, o que pode afetar negativamente sua vida em diversos aspectos: pessoal, social, profissional.
  *Diante desse quadro pode ser necessário um acompanhamento Psicológico.

Deixo aqui algumas orientações aos pais e professores de crianças com gagueira.

Aos pais:

- Não fale pela criança, nem tente adivinhar o que ela está falando, não interrompa o discurso dela. Deixe que ela fale sem seu tempo;
- Pedidos como: “pare”, “fale devagar”, “respire”, não devem ser realizados.
-  É importante o acolhimento, o carinho, paciência, conversar olhos nos olhos, demonstrando interesse no que ela está falando.
- Observe atentamente o que ela quer dizer e não a forma;
- Promova modelos de fala adequados, após sua fala, demonstrando que entendeu.
- Nos momentos em a frequência da gagueira aumenta, proporcione ao seu filho situações onde a fluência pode acontecer como: cantar, contar, fazer teatro de fantoches.
- Procure um Fonoaudiólogo que trabalhe com fluência de fala, para que você tenha orientações específicas para o caso. Cada criança é única e a gagueira se manifesta de várias formas.

Aos professores:

- Caso haja a preocupação para com um aluno da sua sala, procure orientações de um fonoaudiólogo, o serviço de assessoria e consultoria fonoaudiológica pode ser solicitado pela escola ou pais.
- Converse com os pais para saber se já observaram, saiba a opinião deles.
- Oriente para que procurem ajuda especializada de um Fonoaudiólogo.
- Se o aluno rejeita realizar atividades de leitura, evita responder, converse com ele, proponha ajudá-lo, passe confiança pra ele. Observe como ele se comporta nas relações de comunicação com os colegas, demais professores, amigos da mesma escola.
- A leitura junto com outro colega pode ajudá-lo na fluência. Proponha leitura em dupla sempre que possível na sala.
- Ao perguntar, solicite de maneira que proporcione ao aluno que gagueja uma resposta curta.
- Procure saber como ele gostaria de participar das atividades.

OBS: Se a pessoa não apresentava sintomas da gagueira e passou a apresentar na fase adulta, é recomendada uma investigação neurológica imediata, pois pode significar alterações cerebrais importantes.

O que é importante deixar claro para todas as pessoas é que a gagueira é um distúrbio da fala, o tratamento adequado melhora significativamente a vida da pessoa que gagueja.
Não podemos esquecer, que o respeito às diferenças é fundamental para vivermos em comunidade. Todo momento de fala é passível de atropelos, de distorções. Afinal, ninguém é 100% fluente.




sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Campanha da Gagueira 2011



CREFONO 4 inicia Campanha da Gagueira 2011 com ação na praia de Boa Viagem/PE

Ação acontece no Dia Internacional de Atenção à Gagueira, 22 de outubro. Semana contará ainda com Encontro Pernambucano de Atenção à Gagueira e triagem gratuita na Unicap e Funeso 
O Conselho Regional de Fonoaudiologia 4ª Região - PE, PB, AL, SE e BA – (CREFONO 4), em parceria com os departamentos de Fonoaudiologia da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso) e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), inicia neste sábado (22 de outubro), a Semana da Gagueira com panfletagem e orientação para o público na orla da praia de Boa Viagem, no Recife/PE. Durante toda a semana, várias ações serão realizadas por fonoaudiólogos em diversas cidades pernambucanas.
O pontapé inicial será dado justamente no Dia Internacional de Atenção à Gagueira (Diag), sábado, 22 de outubro. A ação contará com profissionais e estudantes do curso de Fonoaudiologia. A concentração será às 9h, em frente ao Edifício Acaiaca, em Boa Viagem.
Após essa ação, o CREFONO 4 realizará o II Encontro Pernambucano de Atenção à Gagueira. O evento será realizado na próxima quarta-feira (26 de outubro), no Bloco G4, da Unicap, a partir das 18h30. Na ocasião, os presentes poderão acompanhar palestras de fonoaudiólogos que estudam gagueira, além de alguns depoimentos de pessoas que convivem diariamente com esse problema.
Por fim, na sexta (28 de outubro), a Unicap ea Funeso realizará triagens gratuitas para pessoas que gaguejam. O atendimento à população será das 9h às 16h, na Clínica do Bloco G4, 7º Andar, na Unicap e das 8h às 12h, na Funeso. A intenção do Conselho Regional de Fonoaudiologia é conscientizar as pessoas que gaguejam a buscar um tratamento com um fonoaudiólogo especializado. Na triagem, além de informações sobre o assunto, haverá encaminhamento para o tratamento gratuito. "A Unicap desenvolve dois projetos para gagueira. Um voltado apenas para crianças, todos os sábados, das 9h às 11h; e o outro para jovens e adultos, as quartas, das 18h às 20h. Os encontros são semanais e gratuitos", explicou a coordenadora do projeto Profª Drª Nadia Azevedo.
O objetivo do CREFONO 4 é explicar para a sociedade o que é e o que provoca a gagueira. "Queremos reforçar a ideia que de que a gagueira precisa ser entendida e respeitada por todos", finalizou Azevedo.
GAGUEIRA
De acordo com o Instituto Brasileiro de Fluência (IBF), a incidência da gagueira é de 5%, ou seja, cerca de 10 milhões de brasileiros estão passando por um período de gagueira neste momento. Este número é maior do que a população da cidade do Rio de Janeiro. A prevalência da gagueira é de 1%, ou seja, cerca de 2 milhões de brasileiros gaguejam de forma crônica (há anos ou décadas). Este número é maior do que a população de Manaus ou Curitiba.
DIAG
O Dia Internacional de Atenção à Gagueira foi criado em 1998, pela Internacional Fluency Association (IFA) e pela International Stuttering Association (ISA). Desde o início, o Brasil participou das comemorações com diversas ações voltadas para as pessoas que gaguejam, para familiares, para profissionais e para a população em geral por meio da Associação Brasileira de Gagueira (Abra Gagueira), além do IBF.
SERVIÇO 01
Orientações Dia Internacional de Atenção à Gagueira
Local: Orla de Boa Viagem, Recife/PE - Em frente ao Edifício Acaica
Dia: sábado (22 de outubro)
Horário: 9h às 12h
Coordenadora: Fga. Ana Cristina Montenegro (9946-3331)

SERVIÇO 02
II Encontro Pernambucano de Atenção à Gagueira
Local: Unicap, Auditório do Bloco G4 (por trás a Biblioteca)
Dia: quarta-feira (26 de outubro)
Horário: 18h30 às 20h
Coordenadora: Fga. Nadia Azevedo (8856-1705)

SERVIÇO 03
Triagens Dia Internacional de Atenção à Gagueira

Local 01: Unicap, Bloco G4, 7º andar, Sala C3
Dia: sexta-feira (28 de outubro)
Horário: 9h às 16h
Contato: 2119-4137
Atendimento gratuito
Coordenadora: Fga. Nadia Azevedo (8856-1705)

Local 02: Clinica Escola de Fonoaudilogia da Funeso (Av. Getúlio Vargas, Bairro Novo, Olinda)
Dia: sexta-feira (28 de outubro)
Horário: 8h às 12h
Contato: 3493-0745
Atendimento gratuito
Coordenadora: Fga. Cláudia Rejane (8527-7993)

Fonte: Assessoria de Comunicação do CREFONO 4

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

19º Congresso Brasileiro e 8º Internacional de Fonoaudiologia


O 19º Congresso Brasileiro e 8º Internacional de Fonoaudiologia se aproxima. Acontecerá no período de 30 de Outubro a 2 de novembro de 2011 na capital paulista, São Paulo.

Quem quiser conferir a programação, ela já está disponível no site da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Basta acessar o link: http://www.sbfa.org.br/fono2011/admin/grade_ativa.php

Lembro a todos os meus colegas que no dia 02 de novembro, durante o congresso, apresentarei um trabalho em formato de pôster cujo título é: Educação Especial e Educação Inclusiva: Novos rumos da Fonoaudiologia Educacional. Aguardo todos vocês para discussão do tema na ocasião.

Um grande abraço e até lá!!!