Categoria: Saúde
CÓDIGO: 18109447
TÍTULO: Cordas Virtuais
DESDE: 04-2010
AUTOR / RESPONSÁVEL: Flávia Tamarindo
URL: cordasvirtuais.blogspot.com/
Você pode votar 1 vez por email, por Facebook e pelo Twitter

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Trilha da Leitura


Conheça a Trilha da Leitura e agende a participação do seu filho(a), em Santa Maria da Boa Vista-PE.

Informe-se pelo telefone (87) 8801-7030 ou email: flaviafno@gmail.com

Trilha da Leitura: pelo prazer de ler!

domingo, 13 de fevereiro de 2011

O Discurso do Rei

A gagueira na real
"O Discurso do Rei" joga luz sobre o distúrbio de fluência , que atinge 2 milhões de brasileiros; ao contrário do que se vê na ficção , problema tem bases genéticas e neurológicas, apontam últimas descobertas
Divulgação

No filme ‘O Discurso do Rei’, George 6º (Colin Firth) grava a própria voz durante consulta com terapeuta para gagueira.
Por Iara Biderman, São Paulo

George 6º, rei da Inglaterra entre 1936 e 1952, enfrentou sucessão complicada, avanço do nazismo e decadência do Império Britânico. Mas o fio condutor de "O Discurso do Rei", que estreou ontem, é sua luta contra a gagueira. Como toda ficção baseada em fatos reais, o filme já é alvo de críticas em  relação à sua veracidade histórica. A questão pessoal que rege a narrativa, a gagueira, também levanta poeira.

PSICOLOGIA X BIOLOGIA

O ruído na comunicação é a ênfase que o roteiro dá aos aspectos psicológicos
relacionados ao distúrbio.

A maioria das pessoas, segundo especialistas, acredita que traumas de infância  são o que faz uma pessoa gaguejar, o que não é verdade. "Hoje, sabemos que a  causa está em genes que interferem na formação e no funcionamento de áreas cerebrais que gerenciam a emissão da fala", diz o neurologista Marco Antônio Arruda, da Academia Brasileira de Neurologia.

Os primeiros genes responsáveis pela gagueira foram descobertos há um ano.
"A ciência conhece bem síndromes complicadas que atingem menos de 0,02% da população, mas estuda pouco a gagueira", lamenta a fonoaudióloga Anelise
Junqueira Bohnen , do IBF (Instituto Brasileiro de Fluência). É por isso que ela, como outros militantes da causa, comemora o sucesso de "O Discurso do Rei", com 12 indicações ao Oscar. "Gagueira não é assunto. O "Rei" coloca o tema na conversa do dia."

Segundo Ignês Maia Ribeiro , presidente do IBF, o filme mostra como a gagueira era entendida e tratada na época. "O trabalho de Logue [o terapeuta do rei], autodidata e heterodoxo, foi pioneiro. Ele ia além dos trabalhos com oratória de seu tempo. Já usava algumas técnicas de relaxamento e suavização da fala que usamos hoje."

NOVAS POSSIBILIDADES

As descobertas sobre bases genéticas da gagueira e funcionamento cerebral podem trazer novas formas de tratar o problema que, no Brasil, é crônico para cerca de 2 milhões de pessoas, segundo estimativa de Ribeiro.
O neurologista Marco Antônio Arruda conta que estudos controlados com um antagonista da dopamina (medicamento que anula a ação do neurotransmissor) estão mostrando bons resultados. Os remédios ainda não chegaram, mas novas tecnologias já foram incorporadas aos tratamentos.
Uma das ferramentas é o "Speech Easy", aparelho que faz a pessoa ouvir a própria voz com um pequeno atraso. É o "efeito coro". Em situações como recitar em coro ou cantar, é comum a pessoa não gaguejar, porque aciona circuitos cerebrais diferentes dos usados na fala comum.
Outros recursos são aplicativos para iPad e iPhone. Barbara Fernandes, fonoaudióloga brasileira que mora nos EUA, criou o "Fluency Tracker", programa que mapeia as situações relacionadas à gagueira para que o paciente identifique em que momento precisa usar as técnicas aprendidas em
consultório, além de acompanhar o seu progresso no dia a dia. A versão em inglês do aplicativo já está à venda na App Store por US$ 9,99  (cerca de R$ 16,65). "Vamos lançar agora a versão em espanhol e, daqui a dois meses, em português", diz Fernandes.

Frases

"A ciência conhece bem síndromes complicadas que atingem menos de 0,02% da população, mas estuda muito pouco a gagueira"
ANELISE BOHNEN
fonoaudióloga

"A causa está em genes que interferem em áreas cerebrais ligadas à fala"
MARCO ANTÔNIO ARRUDA
neurologista

Fonte: Folha de São Paulo

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Conhecendo o Projeto Contando Cantando Histórias



(Clique na imagem para ampliar)

Contando Cantando Histórias


Olá amigos,

Dia 20 de fevereiro (domingo) às 9h30, acontecerá mais uma apresentação do "Contanto Cantando Histórias" e dessa vez será no abrigo de idosos Associação Filantrópica Nossa Senhora de Lourdes, Rua José Alves de Araújo, mº299, Peixinhos - Olinda. Pedimos a todos doações para esse local que abriga 75 idosos e precisa MUITO de apoio pois sobrevive apenas da caridade das pessoas. Além das doações de alimentos não perecíveis, material de higiene pessoal e primeiros socorros, eles pedem também produtos específicos como fraldas geriátricas, Hipoglós, adoçante e roupas. Nós do Contanto Cantando Histórias não recebemos dinheiro, então quem quiser fazer sua colaboração em dinheiro pode fazer direto ao abrigo no endereço acima.
Na 1º apresentação do nosso grupo que aconteceu no Lar de Jesus, bairro da Torre, dia 29 de janeiro de 2011, tivemos uma resposta muito positiva [com muita emoção] dos idosos com as interpretações de Noel Rosa, por isso vamos repetir as histórias, marchinhas e sambas do compositor (panfleto em anexo).
Graças a divulgação de alguns amigos através de e-mails e redes sociais, além do apoio de veículos de comunicação como o JC e Rádio Folha, arrecadamos uma quantidade significativa de doações, e estamos na expectativa que no próximo dia 20 de fevereiro consigamos aumentar [se possível dobrar] nossa colaboração para esse abrigo de idosos que é realmente muito carente. Portando, é só divulgar nas redes sociais ou reencaminhar esse e-mail para os seus contatos que assim formaremos uma grande rede de música, poesia e solidariedade.
Quem puder ir no dia para acompanhar a apresentação, doar e também se doar para quem precisa, será muito bem recebido.
Contamos com a colaboração de vocês!

www.contandocantandohistorias.blogspot.com
contandocantandohistorias@hotmail.com

domingo, 6 de fevereiro de 2011

* Microfones e amplificadores para Professores da Rede Estadual de PE

Os professores da rede estadual de ensino poderão contar com um aliado, a partir de hoje, em sala de aula. O governo do estado vai distribuir 8.384 kits com microfones e amplificadores de voz para docentes das 17 Gerências Regionais de Educação (GRE) de todo o estado. A medida vai beneficiar, sobretudo, os profissionais que apresentam problemas nas cordas vocais por conta da sobrecarga do uso da voz durante o trabalho. A medida foi anunciada ontem pelo secretário de Educação, Anderson Gomes, e é uma das principais adotadas pelo governo para este ano letivo, que começa hoje para 975 mil alunos matriculados.
Cada kit terá dois microfones, sendo um de lapela e outro auricular, um amplificador e um carregador de pilhas. O investimento na compra dos equipamentos foi de R$ 860 mil. Terão prioridade no recebimento do kit os professores do quadro efetivo do estado que tenham tido a saúde vocal prejudicada por causa do uso constante da voz. A distribuição dos kits será de responsabilidade das GREs. Desse total, cercade 1,6 mil aparelhos será destinado a profissionais que atuam no Recife. "Com esse microfone, estamos valorizando o servidor, que precisa desse instrumento de trabalho", enfatizou o secretário Anderson Gomes. A previsão é que toda a rede possa ser contemplada com microfones a partir de 2012.
Além dos microfones, os professores deverão ser orientados por uma equipe de fonoaudiólogos para aprender a otimizar o uso desse equipamento e a cuidar melhor da voz. A medida pode amenizar problemas como o da professora de português e espanhol da rede estadual Myriam Rodrigues Guimarães, 37 anos. Desde 2005, quando começou a lecionar na rede, tem apresentado problemas na voz. "Minhas turmas são do ensino médio, justamente na fase que o jovem gosta de falar mais. Não é fácil competir com eles e com o barulho do lado de fora da sala", ponderou. Em 2008, a situação da professora ficou ainda pior. De tanto forçar a voz, não conseguia mais falar e teve que fazer tratamento com fonoaudiólogo por um ano e meio. "Hoje, tomo mais cuidado com a minha voz, bebo muita água e faço exercícios vocais antes e depois da aula."


*Atenção professores, deixem seus comentários e sugestões!!!

Distúrbio auditivo é confundido com deficit de atenção

Muitos dos sintomas são iguais: dificuldade de se concentrar, desorganização, esquecimento, mau desempenho na escola e problemas de relacionamento.
 Por isso a dificuldade de saber se uma criança com dificuldade de aprendizagem tem transtorno de deficit de atenção e hiperatividade ou DPAC (distúrbio do processamento auditivo central).
O problema é uma falha na forma como o sistema nervoso central processa o som. Não há deficiência no aparelho auditivo, mas uma dificuldade para compreender o significado da mensagem.
Nomeado oficialmente nos EUA em 1996, o distúrbio ainda está se tornando mais conhecido por pais e professores. Segundo estudos, pode atingir até metade das crianças com dificuldades de aprendizagem.
Ainda se sabe pouco sobre causas -infecções no ouvido na infância estão entre elas, mas suspeita-se também de alterações neurobiológicas genéticas e meningite.
Crianças inteligentes, interessadas e que, mesmo assim, vão mal em várias matérias são candidatas a ter DPAC. É o caso de Eduarda, 12, de Brasília.
A mãe, Luísa Casado Lima, afirma que a filha sempre foi esforçada, mas não conseguia se concentrar e começou a cometer erros de grafia.
Luísa, que é dentista, levou a filha a uma fonoaudióloga, a um neurologista e a um ortopedista. No exame de audiometria, feito em cabine acústica, o processamento auditivo estava alterado.
Eduarda ouvia bem, mas não entendia o que era dito.


Editoria de Arte/Folhapress/Editoria de Arte/Folhapress

MODA

A mãe acha que o DPAC é moda. "Todo aluno tem alguma coisa, qualquer dificuldade é atribuída a alterações."
O filho dela, Henrique, 10, também foi diagnosticado com o problema.
O neuropediatra Paulo Junqueira também percebe um crescimento no número de diagnósticos.
Para a fonoaudióloga Vera Lúcia Garcia, diretora secretária da Associação Brasileira de Fonoaudiologia, os diagnósticos vão ficando mais específicos com a evolução da neurociência.
"Hoje a disseminação do distúrbio é maior e há mais recursos para avaliá-lo."
Nicholas Araujo, 9, do Rio, também foi diagnosticado com o DPAC. A mãe, Rachel, demorou para descobrir quais eram as dificuldades.
O que chamava a atenção da mãe é que qualquer frase era interpretada ao pé da letra. "O Nicholas não entendia brincadeiras, piadas, algo com duplo sentido", diz.
O tratamento é feito com fonoterapia, para ajudar a criança a separar e entender o que ouve.
Além de terem sintomas similares, o deficit de atenção e o distúrbio auditivo podem coexistir -o que é muito comum, segundo o neuropediatra Paulo Alves Junqueira. "É preciso tomar muito cuidado ao colocar um rótulo porque as características são similares. Há uma linha muito tênue entre os dois."

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Cursos Virtuais - Departamento de Voz da SBFa 2011


A ótima ideia do pessoal do Departamento de Voz da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia está chegando.
A programação dos Cursos Virtuais para o 1º semestre de 2011 já foi definida.

Segue:

CURSOS VIRTUAIS DO DEPARTAMENTO DE VOZ

Curso: Atuação com grupo de teleoperadores
Data: 9/02/2011
Horário: 21h às 22h

Curso: Fonoaudiologia do Trabalho e Fonoaudiologia Organizacional: diferenças e similaridades das áreas de atuação em empresas
Data: 16/03/2011
Horário: 21h às 22h

Curso: Disfonia por tensão muscular
Data: 12/04/2011
Horário: 20h às 22h

Curso: Como aplicar treinamentos em comunicação oral para empresas
Data: 11/05/2011
Horário: 20h às 22h

Curso: Distúrbio de voz do professor: o papel do fonoaudiólogo da pesquisa à ação.
 Data: 06/06/2011
Horário: 20h às 22h

Mais informações e inscrições no site da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia.
Acesse: SBFa - Cursos Virtuais

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

CURSO: PCA - DESAFIOS DA IMPLANTAÇÃO

Ministrante: Profª Drª Andréa Cintra (SP)Professora do Departamento de Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru – Universidade de São Paulo – USP

Datas: 19 e 20 de março de 2011, das 8 às 18h
Local: Centro de Convenções de Pernambuco – Olinda
(Sala dos escritores)
Investimento: R$ 300,00
Depósito bancário no Banco Real – Ag.: 1007 – C/C 9123538-2, em nome de Cleiton Miguel da Silva
Após o depósito, é necessário enviar o número do protocolo de depósito com data e hora por e-mail.

Maiores informações: (81) 8634 0714/ cleitonmig@hotmail.com.
Coordenação: Fgº. Cleiton Miguel.

CONTEÚDO DO CURSO

1) Politica Nacional em Saúde do trabalhador
2) Bases técnicas para prevenção
3) Vigilância em saúde do trabalhador
4) Processo Saúde - Doença no trabalho
5) Implantação do PCA
6) Elaboração de pareceres, laudos, diagnóstico e relatório

Fonoaudiologia Forense

O IDE Cursos confirmou o início da Capacitação em Fonoaudiologia Forense, com as fonoaudiólogas Mônica Azzariti e Maria do Carmo Garglione, ambas do Rio de Janeiro.
As próximas aulas serão realizadas nos dias 19 e 20 de fevereiro, na sede da instituição, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife.
A capacitação tem duração de seis meses, com aulas uma vez por mês.
Garanta já a sua vaga.
Inscrições e contato: www.idecursos.com.br
Telefone: (81) 3083-1716 ou 3421-1508


CRONOGRAMA DE AULAS
Módulo/ Data/ Local da aula

Módulo 1 - Introdução à Perícia – Aspectos Jurídicos e a Prática Forense; Histórico da Fonoaudiologia Forense, Áreas de Atuação e Mercado de Trabalho;
29 e 30/01/11
SEDE IDE

Módulo 2 - Metodologia para Colheita de Material Padrão para Análise, Tipos de Materiais Remetidos para Exame; Digitalização de Áudio;
19 e 20/02/11
SEDE IDE

Módulo 3 - Transcrição e Textualização da Fala Prática dos Principais Softwares; Elaboração de Laudos e Petições;
19 e 20/03/11
HOTEL MERCURE NAVEGANTES

Módulo 4 - Metodologia da Análise Pericial – Identificação de Falantes:Parâmetros utilizados;
30/04 e 01/05/11
SEDE IDE

Módulo 5 - Prática – Casos reais
21 e 22/05/11
HOTEL MERCURE NAVEGANTES

Módulo 6 - Metodologia da Análise Pericial – Exame Grafotécnico;
18 e 19/06/11
HOTEL MERCURE NAVEGANTES

MINISTRANTES:

Mônica Azzariti (RJ)

Fonoaudióloga Perita do Grupo de Apoio Técnico Especializado/GATE do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro
Fonoaudióloga Perita cadastrada do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro sob o nº2383
Consultora Técnica da Divisão Anti-Seqüestro do Estado do Rio de Janeiro
Membro da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia
Vice- Presidente da Academia Brasileira de Fonoaudiologia Forense
Membro do ACFEI - American College of Forensic Examiners Institute
Coordenadora do Curso de Fonoaudiologia Forense – CETEC/RJ
Professora de vários cursos na área de pericia

Maria do Carmo Gargaglione (RJ)

Fonoaudióloga Perita do Grupo de Apoio Técnico/GATE do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.
Fonoaudióloga Coordenadora Técnica do Programa de Saúde Vocal da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.
Instrutora do Curso de Investigação do EXÉRCITO BRASILEIRO
Coordenadora Técnica do Laboratório de Análise Audiovisual da FAEPOL – Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Desenvolvimento da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro
Perita Nomeada pela MARINHA DO BRASIL – Agosto 2005
Consultora Técnica da Divisão de Anti-Seqüestro da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro
Membro Titular da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia
Member of The Voice Foundation/EUA
Member of International Association of Identification/EUA
Member of Audio Engineering Society/EUA
Professora de vários cursos na área de pericia